TriathlonPerformance

Aerodinâmica. Como Aproveitar esse Poder no Ciclismo

A influência da aerodinâmica na performance de atletas do ciclismo, especialmente no Triathlon e no road bike (speed) é assunto recorrente ha décadas.

Descubra como aproveitar o poder da aerodinâmica no ciclismo e ficar mais rápido apenas mudando a posição de pilotagem. Acompanhe e veja como se beneficiar!

O ciclismo sempre foi um esporte de velocidade e a busca por melhor performance continua a motivar atletas, empresas e pesquisadores. Aquele ganho marginal (já vamos explicar o que é isso) que pode fazer toda diferença num contrarrelógio. Ou ainda, aquela economia de movimento que poupa energia para os momentos mais explosivos tão almejados pelos ciclistas. Tudo isso são objetos de estudos sérios e de muito investimento em pesquisas.

Não Menospreze o Poder da Aerodinâmica no Ciclismo

Caso você não de muita bola para isso, saiba que cerca de 80% da força que você precisa superar para atingir apenas 30km/h está diretamente relacionada a quebra da resistência aerodinâmica. E isso é muita coisa para não pensarmos a respeito mesmo sendo amadores. Os outros 20% ficam por conta do atrito entre os componentes e o solo.

As empresas se esforçam para criar produtos e acessórios mais aerodinâmicos, nossa especialidade por exemplo são as rodas de carbono, como a C50, C60 e a C85.

Estudos feitos em túnel de vento mostraram que de todos os equipamentos e acessórios, as rodas são os componentes que apresentam o maior ganho, um modelo aerodinâmico com perfil alto pode representar até 5% de melhora na performance.

Mas não para por ai, nos testes estes 5% de ganho de performance consideram apenas a roda absolutamente de frente para o vento. Especialistas notaram que quando o angulo se inclina e a roda com perfil alto passa a receber vento lateral acontece o que chamaram de “efeito vela”. Ou seja, as rodas com perfil alto começam a navegar e se beneficiar deste vento, por tanto o potencial de ganho da roda aerodinâmica aumenta muito.

Em termos de acessórios, até mesmo luvas com menor arrasto são fabricadas, porém, dentre os mais populares estão o capacete aerodinâmico, roupas mais justas e com poucas costuras (skinsuit), sapatilhas e até mesmo a polêmica depilação, todos apresentam ganhos significativos quando combinados.

Todas estas combinações nos chamamos de ganhos marginais, você ainda pode otimizar isso até mesmo com um bom lubrificante de corrente, roldanas, e com os famosos rolamentos de cerâmica, por exemplo.

Guidão Aero de Carbono RS400 Session
Guidão Aero de Carbono RS400 Session

Contudo, o maior potencial de ganho está justamente na posição de pilotagem, números próximos a 70% de ganho foram alcançados com uma postura mais aerodinâmica do ciclista.

Quadro Aero ou Posição de Pilotagem Aerodinâmica?

Não, isso não depende somente do seu poder de compra, mas sim da boa e velha analise. Independente disso, a posição de pilotagem deve ser otimizada agora mesmo, se ainda não está treinando isso, esta perdendo tempo. Literalmente!

Os estudos mostraram que o quadro representa cerca de 3% do arrasto, só isso já deveria bastar para nos convencer. Além disso, com o preço de um bom quadro aerodinâmico você pode investir primeiro numa roda de carbono aero e obter pelo menos 5% (sem considerar o efeito vela) de ganho ao invés de até 3% do quadro.

Treinar a posição de pilotagem não requer investimento num primeiro momento e você pode começar a obter os benefícios das posições aerodinâmicas com a bicicleta que já tem.

atleta rafael falsarella triatleta iron man roda session carbono aerodinâmica ciclismo
Foto: Atleta e Treinador Rafael Falsarella

Como já dissemos, estudos mostram que a maior parte do arrasto aerodinâmico é provocado pelo nosso corpo. Por tanto, primeiro foque em melhorar a sua posição de pilotagem, no curto e médio prazo vai ser mais eficiente e barato.

Como os pesquisadores calculam a resistência do ar no ciclismo fora dos túneis de vento?

Muita física é aplicada para se chegar a resultados confiáveis acerca da resistência aerodinâmica, especialmente nos testes feitos fora de um ambiente controlado, como nos túneis de vento.

Esses cálculos não são simples e sofrem diversas variações, por exemplo, até mesmo a altitude em que o ciclista se encontra altera a densidade do ar, causando mais ou menos arrasto.

Outro fator do cálculo extremamente individual tem relação com o que os cientistas chamam de área frontal. Imagine um ciclista montado na bike e vindo de frente para você, o que você enxergaria dele é a área frontal. Seria o total do espaço frontal que o conjunto bike e ciclista ocupam.

aerodinâmica no ciclismo como aproveitar e ganhar mais velocidade
Areá Frontal

Exatamente por isso que esse parâmetro é tão individual, pois mesmo que dois ciclistas façam um circuito com uma bicicleta do mesmo tamanho e do mesmo modelo, o corpo dos ciclistas seriam diferentes de diversas formas, por tanto os resultados nunca seriam os mesmos.

Sobre isso, basicamente o que você precisa entender é que quanto menor a área frontal, menor o arrasto. Ou se preferir, quanto melhor encaixado na bicicleta, menor arrasto.

O coeficiente de arrasto seria outros dos principais fatores que influenciam no cálculo de aerodinâmica para um ciclista. Em testes externos, fatores como velocidade, vento (velocidade e direção) umidade, e até mesmo a condição do piso devem ser medidos.

E por fim, mas não tão simples a velocidade do ciclista em relação ao ambiente, lançados todos os dados na equação, agora o pesquisador consegue calcular o arrasto e encontrar números como: Um ciclista que perfaz um circuito duas vezes mais rápido que uma velocidade preestabelecida para testes pode enfrentar uma força de arrasto quatro vezes maior. Ufa, tudo isso pra entender porque dói tanto ficar mais rápido!

E se pudéssemos enxergar o arrasto aerodinâmico em ação no ciclismo?

Foi exatamente isso que um popular estudo sobre aerodinâmica no ciclismo fez, os pesquisadores usaram câmeras de alta velocidade para capitar a influência da posição do ciclista no fluxo de ar.

O estudo mediu o impacto no fluxo de ar causado por um ciclista em três posições diferentes. Vale mencionar que as posições escolhidas não são aleatórias, elas estão dentro das posturas permitidas pela UCI em provas oficiais.

Primeira posição:

Postura vertical com as mãos no STI – A primeira é a posição mais usual, com as mãos no manete do STI. Constatou-se o que a experiencia já havia ensinado para muitos ciclistas, nessa posição não se encontra a menor resistência aerodinâmica, por tanto não é a mais indicada para quem busca atingir mais eficiência e velocidade.

Segunda posição:

Pegada no Drop – Nessa posição o ciclista se inclina mais, diminuindo bastante a sua área frontal, por tanto reduzindo também o arrasto. Essa é a nossa posição típica de corrida. Ficar nessa posição por muito tempo pode ser desgastante, por isso treinar é fundamental. 

Fortalecimento do core, um selim adequado e algumas horas do bom e velho chá de selim vão fazer você ficar afiado nela.

Terceira posição:

Posição Encaixado no Quadro – Por fim, a terceira posição testou o ciclista agachado. Como era de se esperar, este foi o resultado com o menor arrasto encontrado no estudo. Essa é uma postura usada em descidas ou para benefício máximo do vácuo por alguns momentos.

posição aerodinâmica no ciclismo aumenta a velocidade

Apesar dos resultados parecerem óbvios para muitos ciclistas, especialmente os spedeeiros e os triatletas mais experientes, o estudo conseguiu medir isso como nunca antes.

Por exemplo, a postura com a pegada no drop apresenta de 20% a 34% menos arrasto que a posição vertical. O arrasto da segunda para a terceira posição foi 14% a 32% menor. Portanto, se tornar menor sobre a bicicleta reduz o arrasto, mas não proporcionalmente.

aerodinâmica triathlon e road bike speed session rodas de carbono perfil alto

Para compreendermos isso observe o fluxo de ar ao redor dos três ciclistas. A imagem acima apresenta a velocidade do ar em torno do ciclista.

Note que logo atrás do selim existe uma grande linha de ar com baixa velocidade (azul). Na posição mais vertical isso fica mais evidente, ao passo que quanto mais se agacha menor é essa linha. Notaremos ainda que não conseguimos nos livrar totalmente delas.

A figura acima também confirma que menor área frontal resulta em menor arrasto, é claramente perceptível que a coluna de ar formada na posição 3 é bem menor que a posição 1, por exemplo.

posição aerodinamica no ciclismo aumenta a velocidade

A figura 3D digitalizada também mostrar menores vórtices de ar e consequentemente menor pressão e fluxos mais distribuídos.

Aerodinâmica no Ciclismo

A ciência confirma o que a experiencia já sabia, contudo agora com números mais precisos que poderão no futuro ajudar os treinadores a elevar o grau de aproveitamento dos seus atletas, mas também ao desenvolvimento de novas tecnologias, novos componentes e acessórios.

Estes estudos também orientam atletas amadores a escolher melhor os futuros upgrades em sua bicicleta. Através de parâmetros cientificamente comprovados e por escolhas lógicas de custo x benefício.

 

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar